Spain Brazil Russia France Germany China Korea Japan

Artificial Intelligence driven Marketing Communications

Jul 17, 2019 6:00 PM ET

Análise sobre as perspectivas de investimento dos EUA


iCrowd Newswire - Jul 17, 2019

Enquanto os EUA celebram o Dia da Independência e o fim do domínio britânico, haverá melhor altura para analisar o significado do mercantilismo do Presidente Trump para as perspectivas de investimento dos EUA, dado que o próprio mercantilismo da Europa serviu de ponto de partida para a Revolução Americana? No entanto, o problema do mercantilismo no século XXI é que as suas consequências econômicas podem diferir significativamente do que eram quando esta teoria econômica foi implementada pela primeira vez na Europa no século XVII.

A postura assumida no comércio pelos EUA em relação à China, bem como à Europa e, recentemente, à Índia, está a ocorrer num momento complicado para o ciclo econômico dos EUA, colocando em risco a curto prazo uma economia que já está dando sinais de abrandamento. De fato, a economia mundial tem desacelerado significativamente ao longo dos últimos doze meses e, enquanto a dinâmica dos EUA permanece superior a de muitos dos seus parceiros comerciais, está inevitavelmente começando a ser afetada pela inversão global. Neste contexto, o aumento das tensões e das incertezas é um desincentivo particularmente forte a investimentos. Numa economia em abrandamento, a tomada de decisões relativas a grandes despesas de capital torna-se ainda mais questionável quando não se sabe qual será o impacto das negociações governamentais na procura final dos seus produtos, na sua competitividade de preços, já para não falar do resultado final para a sua cadeia de abastecimento, que se globalizou nos últimos 10 anos para otimizar a eficiência.

Contudo, o assunto torna-se muito mais complexo quando analisado a curto prazo. A razão é o fato de estarmos perante a uma revolta crescente da administração dos EUA contra o comércio livre. Num nível superficial, o argumento é perfeitamente coerente: o comércio livre, ou liberalismo econômico, é considerado o sistema mais adequado para promover o crescimento econômico ideal para todos os parceiros comerciais. Mas, se este sistema for manipulado por alguns, então torna-se num jogo viciado para aqueles que cumprem as regras. Uma vez que a Administração dos EUA alega que todas as grandes nações exceto os EUA, isto é, a China, mas também a União Europeia, a Índia, o México, etc., estão a fazer batota, o verdadeiro comércio livre, para todos os efeitos práticos, já desapareceu. O que o substituiu foi um combate entre países mercantilistas ao qual a Administração Trump está mais do que desejosa por aderir.

No passado, a Inglaterra, a França e a Holanda “inventaram” o mercantilismo. A ideia subjacente era, e assim permanece, que o crescimento econômico, o comércio mundial e a criação de riqueza em geral constituem um jogo de soma zero. Por outras palavras, ao contrário do liberalismo econômico, teorizado mais tarde pelos seus promotores, a começar por Adam Smith e Ricardo, o mercantilismo é um sistema composto por vencedores e vencidos, competindo todos pela maior fatia de um bolo finito. Escusado será dizer que, em tal sistema, os jogadores com uma mão forte estão determinados a tirar partido da sua vantagem. No século XVII, os países coloniais europeus não hesitaram em exercer forte pressão nas suas colônias distantes de modo a enriquecerem. Mais precisamente, o plano era desenvolver um setor industrial muito forte através de uma intervenção maciça do Estado, protegendo simultaneamente os campeões nacionais da concorrência estrangeira e ajudando-os a exportar os seus bens ao obrigarem as colônias a comprá-los. Este sistema transformou os países mercantilistas europeus em potências comerciais, permitindo-lhes acumular grandes quantidades de ouro, a única medida incontestável de riqueza e sucesso na altura.No entanto, este sistema começou a ser questionado quando duas das suas consequências mais diretas se tornaram óbvias: em primeiro lugar, quando os vencedores se tornavam mais ricos ao tornar os parceiros comerciais mais pobres, estes deixavam a partir de determinada altura de conseguir adquirir bens e, em segundo lugar, as lutas pela maior fatia do bolo resultavam em guerras repetidas entre os concorrentes. Caso a luta mercantilista a decorrer atualmente se torne a nova norma do comércio global, estes problemas continuarão a fazer parte dos riscos a longo prazo a ter em conta.

A ramificação de um sucesso mercantilista também seria muito mais complexa nos dias de hoje. Se a cruzada dos EUA for bem-sucedida, o crescimento interno será beneficiado, resultando em mais investimentos estrangeiros nos EUA (atraídos por maiores retornos após o pagamento de impostos) e o comércio começará a gerar excedentes. No entanto, tais feitos aumentarão logicamente a procura de dólares norte-americanos, cujo valor aumentará, o que, por sua vez, prejudicará as exportações. Por outras palavras, um USD em alta será a penalidade por tentar enriquecer o país da mesma forma que a França e a Inglaterra o fizeram há três séculos acumulando ouro. Além disso, para tornar a situação ainda mais complexa, a questão seguinte é: conseguirá a política monetária atual, que não existia nem como conceito emergente nos tempos do Mercantilismo 1.0, ser influenciada de forma a evitar a apreciação do USD? Neste contexto, é possível compreender a pressão exercida atualmente por Donald Trump sobre o presidente da FED, Jay Powell. O certo é que a economia dos EUA ainda está a registar bons resultados, colocando o país numa posição de força. Mas seria sensato que a política comercial não jogasse as suas cartas de forma demasiado agressiva.

Por Didier Saint-Georges – Administrador Executivo e membro do Comitê de Investimento

Website: http://www.carmignac.com






iCrowdNewswire




Tags:    Wire, Portuguese