Economistas de SP tentam pela terceira vez eleger dirigentes do Conselho Regional. Votação será nos dias 21 e 22 de março – iCrowdNewswire
  • Spain
  • Brazil
  • Russia
  • France
  • Germany
  • China
  • Korea
  • Japan
 
x

RSS Newsfeeds

See all RSS Newsfeeds

Mar 15, 2019 7:40 PM ET

Subject to Terms of Use.

Economistas de SP tentam pela terceira vez eleger dirigentes do Conselho Regional. Votação será nos dias 21 e 22 de março

iCrowdNewswire - Mar 15, 2019

Conselho Federal de Economia, órgão que rege os Conselhos Regionais em todo o País, determinou para os próximos dias 21 e 22 de março (quinta e sexta-feira), as eleições para escolha dos conselheiros e dirigentes do Corecon-SP, o conselho paulista. É a segunda convocação em caráter extraordinário depois que o Cofecon interveio e não homologou o resultado do pleito de outubro de 2018, pois constatou inconsistências de dados e o descadastramento de economistas que estavam aptos a votar e foram desqualificados sem qualquer justificativa legal. Nova votação foi marcada para fevereiro, também adiada após análise de consultoria para validar o pleito em São Paulo.

A polêmica em torno dos critérios adotados pelo Corecon-SP no processo eleitoral se arrasta na medida em que a cada análise são encontradas novas inconsistências nos registros dos mais de 11 mil economistas paulistas. Segundo comunicado oficial do Conselho Federal, a auditoria realizada em São Paulo “constatou diferenças significativas de variações quantitativas entre as bases de dados utilizadas na eleição ordinária de outubro de 2018 e a enviada agora em 10/01/2019 para a realização da nova eleição”.

A nota do Conselho Federal, entre as várias irregularidades, aponta, como exemplos, economistas inscritos após o dia 31 de Dezembro de 2018 (data-limite para o cadastramento de votantes) e até a “inclusão de economistas indicados como falecidos, além de outras inconsistências, muitas destas em desacordo com o definido na Resolução Cofecon nº 1.883, de 29/11/2012, que regulamenta a padronização de dados de registro”.

De acordo com Synésio Costa, presidente da ABRINQ – Associação da Indústria de Brinquedos, que já presidiu o Corecon-SP e o Cofecon, e um dos líderes a Chapa 1 de Oposição, “o processo que resultou na anulação das eleições de outubro passado e agora esse novo adiamento, são a caracterização incontestável de que a nossa instituição chegou ao limite da ineficiência e do desrespeito aos economistas. O Corecon-SP precisa de mudança urgente”, avalia.

“O povo brasileiro pede por transparência, ética e responsabilidade”, afirma o economista. Synésio Costa ressalta que o objetivo da Chapa 1-Oposição é justamente modernizar os critérios e princípios de gestão do Conselho, ampliar a representatividade da categoria, sobretudo junto ao mercado de trabalho. “A gente vai cuidar da profissão, que está largada, abandonada. Quem está saindo da faculdade, precisa de horizonte, perspectiva para o futuro. Quem entra no mercado de trabalho, espera ter a seu lado uma entidade forte, que cuide dele, que o represente de verdade, como sempre foi no passado”.

Protagonismo Brasileiro

O Brasil vive momentos de dificuldade e grandes expectativas para a retomada do desenvolvimento e do crescimento econômico. E os economistas passaram a exercer um papel fundamental neste processo. De acordo com integrantes da Chapa 1, é o momento de se exercer e fortalecer esse protagonismo dos economistas, participando institucionalmente das discussões e debates junto à categoria e seus órgãos representativos para consolidar sua posição no mercado e nas decisões do país.

Entre outros desafios que envolvem a categoria, e que fazem parte do debate nacional, estão, ainda, o combate sistemático ao exercício ilegal da profissão e o corte de gastos, o uso racional e eficiente dos recursos, a elaboração de orçamento participativo e a fiscalização. Enxugar a máquina, segundo Synésio Batista, é vital neste momento que o Brasil atravessa. Como exemplo, está o fato de as despesas do Corecon-SP terem aumentado substancialmente nos últimos anos e o superávit chegou a atingir apenas 1% em 2014. E os recursos não são destinados e investidos na evolução, no aperfeiçoamento e na representatividade da carreira.

Para Synésio Costa, as irregularidades encontradas pelo Conselho Federal e o adiamento das eleições, só confirmam o quadro atual do Conselho paulista: “O Corecon-SP é, hoje, um órgão ausente dos principais temas econômicos do estado e do país. A Chapa 1- Oposição se apresenta à classe como opção a uma gestão moderna, transparente e que realmente defenda os interesses dos economistas de São Paulo. Vamos implementar um modelo administrativo realmente comprometido com a eficiência, a ética e os novos conceitos de gestão”, finaliza Synésio Costa. 

Serviço:

Eleição Extraordinária Corecon-SP

Dias: 21 e 22 de março de 2019

Horário: das 8h do dia 21 até às 20h do dia 22

Decisão do Cofecon; Cofecon reprova defesa do Corecon-SP e CHAPA 2

Importante: Os votantes devem requerer a senha digital no site oficial: www.votaeconomista.org.br

Maiores informações pelos sites:

CHAPA 1 – www.economistasdesaopaulo.com.br e CORECON-SP

Facebook:

GESP- Grupo de Economistas de São Paulo 

Website: https://economistasdesaopaulo.com.br/

Via iCrowdNewswire
Tags: Wire, Portuguese
View Related News >