iCrowdNewswire
Spain Brazil Russia France Germany China Korea Japan

Artificial Intelligence driven Marketing Communications

Sep 4, 2019 3:00 PM ET

Reformas no Apartamento e Norma NBR 16280: como evitar transtornos (de pequenas dores de cabeça a desabamentos)


iCrowd Newswire - Sep 4, 2019

No mês de Janeiro do ano de 2012 três edifícios comerciais desabaram no centro da cidade do Rio de Janeiro. Seus nomes depois ficaram conhecidos na imprensa brasileira: Liberdade, Treze de maio e Colombo. O Liberdade tinha vinte andares. Seus vizinhos eram um pouco menores, o Treze de maio tinha quatro e o Colombo, 10 andares. O desastre teve grande repercussão na mídia. Deixou dezenove mortos e três desaparecidos.

Hoje, após muitas análises, já se sabe que o pior poderia ter sido evitado.Investigações feitas na época do ocorrido apontaram como causa do acidente uma obra, no nono andar do Edifício Liberdade, que tinha autorização do síndico do prédio porém não possuía um engenheiro responsável. Ela foi apontada como causadora do colapso da estrutura, que já estava desgastada. Muitas outras intervenções foram sendo feitas ao longo de aproximadamente 7 décadas no edifício. Ao cair, o Liberdade causou o desabamento das duas outras construções. Apesar da grande proporção da tragédia, os acusados foram absolvidos em julgamento por falta de provas. Até hoje, quase 8 anos depois, não existem culpados que possam ser oficialmente responsabilizados.

Existem outros casos conhecidos de desmoronamento de construções que aconteceram por causa de obras não autorizadas e sem a devida supervisão. Em 2009 aconteceram os desabamentos do Edifício Santa Fé (Capão da canoa, RS) e de uma sede da Igreja Renascer em Cristo (São Paulo). Em 2017 teve o desabamento de um prédio em Itabuna (Bahia). Todos deixaram vítimas feridas, mortas, ou pessoas que acabaram por perder tudo e ficaram desabrigadas.

Esses acidentes são exemplos das consequências extremas da ausência de um protocolo regulamentado, que orientasse detalhadamente o procedimento correto para obras estruturais e de reforma, nas áreas comuns ou particulares de um edifício. Nos casos de desabamentos de prédios, frequentemente a razão do abalo da estrutura está em intervenções inconsequentes. Retirar vigas, pilares e paredes, sem um estudo de risco prévio, e construção de andares extras são exemplos comuns de obras que podem enfraquecer a edificação. Ou seja grande maioria das vezes é possível evitar que as construções sofram danos. Para isso é necessário uma avaliação meticulosa e o seguimento rigoroso de um protocolo.

É importante também considerar que toda obra, por menor que seja, gera incômodos . Um protocolo com normas, além de garantir a segurança física de todos, ajuda a diminuir o impacto causado pelos transtornos e conflitos que podem surgir.

No ano de 2015 a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) estipulou a Norma ABNT NBR 16280. Dirigida a síndicos e aos proprietários de unidades interessados em realizar reformas em seus espaços, ela visa garantir a segurança de todos os envolvidos.

Engenheiro mecânico e técnico em máquinas, o gaúcho Alberto Krebs elaborou o livro “Reformas no Apartamento – Sem dor de cabeça para síndicos e proprietários”, pela editora Albatroz. Nele, o autor busca estimular de forma didática o entendimento da linguagem técnica utilizada no documento e torna o aprendizado mais acessível ao público leigo:

“Duas pessoas, minhas conhecidas, tiveram problemas com obras diversas no seus prédios. Uma delas conselheira do síndico e outra, síndico, comentaram comigo os problemas que enfrentavam por obras de reforma. Ao ouvir as pessoas decidi por fornecer a elas uma cópia da NBR 16280 a título de auxílio. Quando entreguei as cópias, me veio à cabeça a seguinte questão: ‘O que exatamente essas pessoas farão com a cópia da Norma?’ Mesmo uma delas sendo um advogado e outra professor de Letras, elas não são habituadas a interpretar normas técnicas. Então o que eu estava fazendo era inútil. Procurei, então, estudar a NBR 16280 para poder responder a cada caso como uma assessoria. Como eu vi que o tema era de interesse de todos os síndicos e proprietários do país, surgiu a ideia do livro.” O autor ainda e completa:

“A norma técnica é, usualmente, interpretada por profissionais formados dentro da área de competência de cada um, porém essa norma específica contém aspectos de ordem legal (jurídica) que envolve e obriga proprietários e síndicos na condução da reforma. O livro disseca a Norma NBR 16280 desde a primeira letra até o último ponto, explicando em linguagem leiga e dando exemplos do dia a dia do Condomínio. Mostra os cuidados e as ações a serem tomadas pelos envolvidos, proprietários e síndico. Mostra a diferença entre obra de reforma e obra de manutenção ou reparo.”

A responsabilidade dos proprietários de imóveis.

É muito comum que a boa utilização da ABNT NBR 16280 seja inviabilizada pela falta de instrução adequada de síndicos e proprietários. Eles muitas vezes não sabem nem mesmo que podem sofrer sanções legais por conta do seu descumprimento. Alguns tendem a considerar que não devem satisfação ao condomínio a respeito das obras que executam dentro de suas propriedades particulares, e na verdade não é bem assim.

 O livro chega como uma ferramenta de ajuda inestimável para que todos os procedimentos sejam feitos dentro do que é permitido, evitando preocupações. Também deixa bem clara a parcela de responsabilidade de cada um. Ainda segundo o engenheiro:

“Os envolvidos na obra de reforma são os proprietários e por procuração, os síndicos. O síndico é indicado pelos proprietários como representante destes para preservar e proteger o bem comum. A NBR 16280 coloca com clareza quem é responsável por fazer o quê, antes, durante e depois da reforma. Antes dela, a indicação de quem poderia ser responsabilizado por algum desastre no prédio era quase impossível; hoje, a Norma pode instruir o processo judicial. Se a tragédia do Edifício Liberdade na Cinelândia, Rio de Janeiro fosse hoje, o profissional responsável (ou irresponsável) estaria cumprindo pena. Proprietários ainda consideram inviolável o que acontece dentro de sua propriedade, como se fosse um castelo independente. Síndicos ainda não tem ideia de que podem ser processados por não cumprir a NBR 16280.”

 Alberto atesta que “o profissional contratado deve apresentar o Plano de Reforma contendo o exigido pela NBR 16280, como desenhos, esquemas, cronograma e alguns compromissos. É obrigação dele a burocracia, não do proprietário. Cabe ao proprietário receber e fazer valer os documentos, parando a obra toda vez que não entender o que está sendo feito. Pela NBR 16280, o proprietário deve encaminhar os documentos ao Síndico e esse deve recebê-lo. Cabe ao Síndico, preservar esses documentos no arquivo, providenciar a autorização para início da obra e cuidar para que a obra não provoque interferências indesejadas no dia a dia, como fechamento de saídas de emergência, uso indevido de equipamentos comuns, sobrecarga nos elevadores, entre outros. Um proprietário que tiver formação em engenharia ou arquitetura pode conduzir a obra e se responsabilizar por ela.”

O autor do livro também observa: “Principalmente Síndicos têm sido avisados pelas Administradoras de Imóveis de que existe uma norma a ser obedecida, porém, também elas não informam bem como a questão deve ser conduzida. Proprietários tem ‘ouvido dizer’ que devem cumprir a norma, mas ninguém esclarece como. Além disso existe a ideia de que ‘ninguém tem nada a ver com o que eu faço dentro da minha propriedade’ e que basta apresentar ART ou RRT de engenheiro ou arquiteto. O livro vem mostrar que obras de reforma tem, sim, de serem documentadas, para que se preserve a memória do prédio.”

Também ficam claras no livro diferenciações importantes, como a que deve ser feita entre uma obra de reforma e uma obra emergencial:

“Nada pode ser feito sem planejamento. Quando você sente um mal-estar, é um erro sair tomando remédios sem recomendação de um profissional, o qual frente aos necessários exames tomará o rumo correto. Obra de reparo ou manutenção em prédio, quando estoura um cano e o reparo tem de ser imediato. Aí o profissional é o bombeiro ou pedreiro. Não haverá intervenção nas partes estruturais do prédio. É conserto do que já existia e estragou. Obra de reforma no prédio não é emergência. A NBR 16280 é para obra de reforma, quando há mudança no uso do prédio ou colocação de elementos que não existiam antes, como jardins suspensos, torres de celular, rampas para cadeirantes, piscinas e por aí vai. A ação mais eficiente trazida pelo livro é mostrar como se organizar e reconhecer se a obra é de reforma ou manutenção, obedecendo a NBR 16280, para ter um bom resultado final e estar seguro de que não surgirão questionamentos futuros.”

Por que aplicar corretamente a NBR 16280?

 O autor explica que ao aplicar a norma corretamente “O trabalho de reforma será bem feito, o resultado será preservado e a valorização da unidade do prédio, garantida. Uma obra que começa mal planejada pode ocasionar vários questionamentos, de vizinhos incomodados, de prejuízo ao condomínio, de demora na execução. Se ainda mal executada, vai exigir retrabalho, o que aumenta os custos e o incomodo, podendo causar prejuízos irreparáveis ao prédio, inclusive depreciação de unidades. Isso obriga o proprietário contratante da obra de reforma a ter cuidado com quem será contratado. Ou vai responder por isso.”

Essas e outras ponderações você pode encontrar no Livro “Reformas no Apartamento – Sem dor de cabeça para síndicos e proprietários” de Alberto Krebs (Editora Albatroz).

Prevenir é sempre melhor do que remediar. Como toda obra não deixa de causar algum transtorno, nada como minimiza-lo evitando problemas futuros, que podem vir a ser bem grandes, e garantindo tranquilidade a todos que estão no entorno. Apesar do barulho, esse sim, infelizmente inevitável.

https://editoraalbatroz.com.br/produto/livro-reformas-no-apartamento-sem-dor-de-cabeca-para-sindicos-e-proprietarios/

Sobre o autor:

Alberto Krebs é brasileiro, natural de Porto Alegre, RS. Formado na Escola Técnica Parobé (Porto Alegre, RS), na capacitação técnico de máquinas e motores.Graduado em engenharia mecânica pela Fundação Souza Marques, Rio de Janeiro, RJ, na especialização Projeto e Fabricação

Website: http://www.editoraalbatroz.com.br






iCrowdNewswire




Tags:    Wire, Portuguese